20/04/17

A CTB apresenta três espectáculos em Lisboa, no Teatro Meridional

A Companhia de Teatro de Braga estará em Lisboa, no Teatro Meridional, de 26 a 30 de Abril, com três espectáculos do seu reportório.



Passaram vários anos desde a última vez que a Companhia de Teatro de Braga levou a cena em Lisboa algum dos seus espectáculos. O Teatro Meridional aceitou, gentilmente, acolher três espectáculos (um de 2015 e dois de 2016) da companhia residente no Theatro Circo de Braga.


Nos dias 26 e 27 de Abril, às 21h30, apresenta o espectáculo, escrito e dirigido por Abel Neves e estreado em Julho passado, Ainda o Último Judeu e os Outros.
Ainda o Último Judeu e os Outros conta a história de Daniel. Um jovem obcecado desde sempre com a história trágica dos judeus – a sua avó materna e a viver na Holanda, sofreu, em criança, a perda dos pais, ambos judeus, numa situação que a marcou definitivamente, tendo eles sido depois assassinados no campo de extermínio de Auschwitz-Birkenau – Daniel não descansa enquanto não confronta Judite (sua mãe) com uma época que ela não aceita lembrar e, sobretudo, não quer assumir por via do sangue materno.
Este espectáculo será levado a cena, em Maio, a Kherson e Bila Tserva, na Ucrânia. Esta viagem realiza-se no âmbito do Projecto para a Internacionalização financiado pela DGArtes.
Ficha artística
autor Abel Neves | direção Abel Neves | assistente de direcção António Jorge | cenografia Acácio Carvalho | adereços António Jorge, Fernando Gomes, Manuela Bronze | figurinos Manuela Bronze | criação sonora Pedro Pinto | design gráfico e fotografia Paulo Nogueira | desenho de luz Nilton Teixeira | elenco Alexandre Sá, Carlos Feio, Eduarda Pinto, Rogério Boane, Sílvia Brito e Solange Sá.


No Alvo, de Thomas Bernhard, estará em cena no teatro lisboeta nos dias 28 e 29, às 21h30. A Mãe, a Filha, o Escritor dramático, a Criada, não estão apenas sós, uns contra os outros. Eles exibem, também, numa nudez “despudorada” os mecanismos dos cérebros. Num crepuscular “quadro de família” emerge a Figura da Mãe que faz a sua Vida semeando a Morte à sua volta. Ela, que só desejava ver o mar e perceber as marés. Que partiu de mala vazia e para a encher passou por cima de tudo. Ela, que detestou tanto o marido como adorava ouvi-lo dizer (a despropósito?) “que tudo está bem quando acaba em bem”.
No Alvo estreou em 2015 e, desde então, foi apresentado em vários palcos nacionais e espanhóis. Em Maio, este espectáculo a partir do texto de Thomas Bernhard passará pelas cidades ucranianas de Kherson, Mykolayiv, Bila Tserkva e Kiev (também ao abrigo do Projecto para a Internacionalização da DGArtes).
Ficha artística
autor Thomas Bernhard | tradução Anabela Mendes | encenação Rui Madeira | cenografia Alberto Péssimo e Jorge Gonçalves | figurinos Manuela Bronze | criação vídeo Frederico Bustorff | criação sonora Pedro Pinto | design gráfico Carlos Sampaio | fotografia Paulo Nogueira | desenho de luz Nilton Teixeira | elenco Eduarda Filipa, Frederico Bustorff, Sílvia Brito, Solange Sá
 

Espectáculo estreado em Abril de 2016 e que é um regresso da CTB aos clássicos portugueses. Em Justiça estamos num olhar peculiar sobre a sociedade e os costumes.” De um lado a utopia de uma sociedade que deveria nobiliar-se pela honra e pelo trabalho, a apologia do self-made man que, saído da pobreza, conquistará o seu espaço com probidade. Na trincheira oposta, os homens de mármore, corações empedernidos, adoradores do bezerro de ouro numa sociedade em que o homem era o lobo do homem. De um ângulo, o frémito social e tribunício espelhava as aspirações de uma classe em luta contra a aristocracia empobrecida e decadente, a viver a glória enferrujada de seus brasões. Do outro, o combate ao argentarismo sem entranhas do capital especulativo que visava impor a essa mesma burguesia, um modelo ético que a dignificasse.” Esta tragicomédia bem ao gosto dos nossos públicos irá a cena no Teatro Meridional no dia 30 de Abril, às 16h00.
Ficha artística
autor Camilo Castelo Branco | encenação Rui Madeira | cenografia João Dionísio | figurinos Manuela Bronze | criação vídeo Frederico Bustorff | criação sonora Pedro Pinto | design gráfico e fotografia Paulo Nogueira | desenho de luz Nilton Teixeira| elenco André Laires, António Jorge, Carlos Feio, Eduarda Filipa, Jaime Monsanto, Rogério Boane, Solange Sá




06/04/17

OS CEGOS de Maeterlinck, “a metáfora mais horrenda” desta Europa

A Companhia de Teatro de Braga (CTB) estreia, no dia 6 de Abril, a sua 131ª Produção: OS CEGOS de Maurice Maeterlinck. Um espectáculo no espectáculo no escuro. Uma tragédia na Europa. 

É, também, espectáculo comemorativo do 10º aniversário da Comunidade de Leituras de Textos Dramáticos do Projecto Bragacult, por onde já passaram mais de 200 pessoas das mais diversas profissões, que leram mais de 50 textos clássicos e contemporâneos, em sessões públicas e cujos elementos participaram em criações como: trilogia ORESTEIA, BACANTES, ORATÓRIA DO VENTO, entre outras.


O elenco d’OS CEGOS é composto, exclusivamente, por elementos da Comunidade de Leituras Dramáticas e por cidadão refugiados a residir na cidade de Braga. “Este é um trabalho, sem actores profissionais (para fazer o gosto a Rilke!?) que integrou cerca de 20 cidadãs e cidadãos de Braga e 10 cidadãs e cidadãos de outras latitudes, (Congo, Síria, Guiné Equatorial, Paquistão, Nepal…) que em razão do conturbado mundo em que vivemos, se encontram em Braga. Afirmamos com orgulho que, mesmo antes da Estreia, este projecto já está ganho. Estes, foram meses de solidariedade e de Amizade. E de aprendizagem de TODOS com TODOS”, diz Rui Madeira, director da CTB.



Este espectáculo da CTB é, segundo o encenador, “a metáfora mais horrenda” deste Velho Continente. “Lemos o ateu Maeterlinck e seu Os Cegos, como um teatro de Almas penadas que vagueiam num Lugar Inferno chamado Europa. São almas refugiadas, despidas, despojadas de Tudo em busca de Paz. Estão a caminho, perderam o Guia e não encontram a Casa. E experimentam-se no confronto com a Memória. Experimentam-se eles e experimentamo-nos Nós. Todos. A Europa TODA! Numa cegueira colectiva. Este espectáculo é o filme dos nossos dias. E a banda sonora das nossas noites. A metáfora mais horrenda. A mais cruel e a mais real”, conclui.


OS CEGOS de Maurice Maeterlinck estreia dia 6 de Abril, na Sala Principal do Theatro Circo, às 21h30. Estará em cena, no teatro bracarense, nas seguintes datas: 6 a 8 de Abril, às 21h30; 11 a 13 de Abril, às 21h30; 20 e 21 de Junho, às 21h30.


FICHA ARTÍSTICA
título · Os Cegos*  
autor · Maurice Maeterlinck  
encenação · Rui Madeira 
tradução · Rodrigo Francisco 
cenografia · Alberto Péssimo, Jorge Gonçalves 
figurinos · Manuela Bronze 
vídeo · Pedro Alpoim, João Vilares, Frederico Bustorff
desenho de som · Pedro Pinto 
desenho de luz · Nilton Teixeira 
elenco · (**) Alexandrina Cerqueira, Ana Cristina Oliveira, Carla Carvalho, Diamantino Esperança, Ivone Cunha, Joana Palha, Joana Prata, José Augusto Ribeiro, José Barros, Julita Capelo, Manuela Artilheiro, Maria do Céu Costa, Maria José Rebelo, Teresa Carvalho, Teresa Ferreira, (***) Abbas Syed Zeeshan (Paquistão), Firas Bash (Síria), Shara Diakanua (Congo), Suraj Adhikari (Nepal), Taghreed Shms (Síria), Khim Bahadur Thapa (Nepal)
Frente de sala assegurada pelos associados da ACAPO · Beno Haraldo, Cristina Ferreira, Filipe Azevedo, João Lourenço, Manuel Pinheiro, Maria Baptista

*espectáculo comemorativo dos 10 anos da Comunidade de Leituras de Textos Dramáticos do projecto bragaCult. 
**elementos da Comunidade de Leitura. 
***cidadãos refugiados a viver em Braga

30/03/17

"Cuidado, Mulheres!" no Theatro Circo terá a presença da Embaixadora da Ucrânia

Embaixadora da Ucrânia em Portugal assistirá, em Braga, ao primeiro espectáculo de acolhimento de 2017 da CTB, pela companhia de Teatro M. Kulish de Kherson.

A Companhia de Teatro de Braga (CTB) prolonga em 2017, por razões de política cultural nacional, o Ciclo que se tinha proposto realizar entre 2013 e 2016 sobre Liberdade. Solidão. Cidadania. Viagem.

Viagem refere-se, não apenas à circulação (nacional e internacional) da CTB, mas também ao acolhimento de outras estruturas de teatro nacionais e estrangeiras.

Assim, temos o prazer de anunciar que, durante a próxima semana, iremos acolher - primeiro acolhimento de 2017 - a Teatro Académico Musical e Dramático de Kherson M. Kulish (Ucrânia) com o espectáculo Cuidado, Mulheres! de Andrei Kureichik. O acolhimento do Teatro de Kershon, cumpre-se ao abrigo da parceria com esta estrutura e no âmbito do convite para o XIX festival Internacional de Teatro, naquele país, que levará a CTB a Kershon, Bila Tserkva, Mykolaiv e Kiev, no mês de Maio. Viajem financiada pelo apoio à internacionalização da DGArtes.

A primeira data é já no dia 4 de Abril, às 21h30, no pequeno auditório do Theatro Circo e contará com a presença da srª. Inna V. Ohnivets, Embaixadora da Ucrânia em Portugal, e três cônsules que amavelmente aceitaram o convite da CTB.

Cuidado, Mulheres! é uma comédia em dois actos que conta a história de um jovem pintor que ama três mulheres diferentes. O pintor é julgado e condenado severamente pelas três, pois, cada uma delas pretendia ser a única. Os jovens actores desempenham com maestria os seus papéis, com uma dramaturgia de alto nível atribuindo ao espectáculo um charme especial.

Espectáculo encenado por Sergii Pavliuk e elenco constituído por Aleksandr MelnikSergei MikhailovskiiRuslan VishnivetskiiTatiana ProvorovaOlga BoitsovaKseniia SavelevaPavel Kostenko. 



O espectáculo terá legendagem em português.

Duração: 110’
Classificação etária: M12
Outras datas: 
Dia 5 de Abril, às 21h30, no Teatro Gil Vicente, em Barcelos;
Dia 6 de Abril, às 21h30, Quinta da Caverneira [Teatro Art’Imagem do Porto], na Maia.

23/03/17

CTB celebra Dia Mundial do Teatro com JUSTIÇA

"O mundo todo é um palco, e todos os homens e mulheres são meros actores"
William Shakespeare

No dia 27 de Março celebra-se o dia Mundial do Teatro. A Companhia de Teatro de Braga (CTB) não poderia deixar de comemorar este dia, ainda mais, coincidindo com a reposição da tragi-comédia, estreada a 16 de Abril de 2016, JUSTIÇA de Camilo Castelo Branco.

No palco da sala principal do Theatro Circo, às 21h30, estarão os actores, na plateia estarão todos aqueles que decidam juntar-se a esta festa, entre os quais, as instituições parceiras da CTB (ILCH - Instituto de Letras e Ciências Humanas da Universidade do Minho, grupo dst, Associação Comercial de Braga, Invest Braga, Cerci Braga, Projecto Homem, Delegação de Braga da Cruz Vermelha Portuguesa, Segurança Social de Braga, Câmara Municipal de Braga, Câmara Municipal de Vila Verde/Academia de Música de Vila Verde, Câmara Municipal de Barcelos/Teatro Gil Vicente, Câmara Municipal de Ponte de Lima/Teatro Diogo Bernardes) e habitantes da união de freguesias de São Lázaro e São João de Souto e união de freguesias de Maximinos, Sé e Cividade que, por motivos vários, estão mais arredados de processos culturais.

O Dia Mundial do Teatro foi criado em 1962 pelo Instituto Internacional de Teatro (ITI) na data de abertura, em Paris, da temporada de “Teatro das Nações”. Desde então, a data tem sido celebrada anualmente a uma escala global.


Todos os anos, o ITI convida uma personalidade reconhecida mundialmente a partilhar a suas reflexões sobre o tema Teatro e uma Cultura de Paz. Assim, antes do início de JUSTIÇA, será lida a mensagem cuja honra da autoria cabe, este ano, à actriz francesa de teatro e cinema, Isabelle Huppert.


Ficha Artística
autor Camilo Castello-Branco |encenação Rui Madeira | cenografia João Dionísio | figurinos Manuela Bronze | criação vídeo Frederico Bustorff | criação sonora Pedro Pinto | design gráfico e fotografia Paulo Nogueira | desenho de luz Nilton Teixeira | elenco André Laires, António Jorge, Carlos Feio, Eduarda Filipa, Jaime Monsanto, Rogério Boane, Solange Sá.

27 de Março | 21h30 | Theatro Circo
28 e 29 de Março | 15h00 e 21h30 | Theatro Circo
30 de Março | 11h00 e 15h00 | Theatro Circo
Bilheteira Theatro Circo: http://www.theatrocirco.com/…/agendaeb…/programacultural/387 | 253 203 800 (ver horário da bilheteira) | reservas@theatrocirco.com
Mais informações: www.ctb.pt | ctb@ctb.pt | 253 217 167

14/02/17

Sobre o Amor

Um olhar diferente sobre o Amor...
Amanhã, dia 15, estreia no Porto (Casa das Artes, às 21h30) As Criadas. Uma co-produção Companhia de Teatro de Braga / Seiva Trupe - Teatro Vivo sobre o texto de Jean Genet.
genetialidade 
Como numa matrioska o texto dentro do texto dentro do testo, como numa história que se repete sem fim como duas irmãs devotas e humildes como numa cebola que se descasca como numa vida que se vive como o prazer de um serial killer como duas criadas que vestem gestos da patroa como que adrenalina que se experimenta como duas irmãs que treinam o ódio para atingir o indizível como numa aliança de sangue como num terço que se reza sem fim como que em voz baixa como duas irmãs curvadas como o cuspo que nos sai da boca como o escarro que se engole e nos aperta a goela como se vive a Liberdade como o suor duma penetração anal como um ranger de dentes num silêncio de gelo como um pedaço de carne que sai quente do forno e como entra à força na boca do corpo como se maquilha a Solidão como dois corpos se combatem como duas bocas se abrem como duas bocas se fecham como o tempo do silêncio como quando nada se escuta como a palavra: AMOR! (Rui Madeira, encenador)
15 (Estreia no Porto) de Fevereiro | 21H30 | Casa das Artes | Porto
17 e 18 de Fevereiro | 21h30 | Casa das Artes | Porto
19 de Fevereiro | 16H00 | Casa das Artes | Porto

FICHA ARTÍSTICA 
dramaturgia e encenação Rui Madeira
tradução Rui Madeira, Eduardo Tolentino de Araújo
cenografia Acácio de Carvalho
figurinos Manuela Bronze
assistente de encenação Eduarda Filipa
desenho de luz Nilton Teixeira
elenco Mariana Reis, Sílvia Brito, Solange Sá
Mariana Reis (Madame) e Sílvia Brito (Clara Lemercier) - Fotografia: Paulo Nogueira